Algumas curiosidades sobre a Lua

26/11/2015 || || ||
Oi oi pessoal bonito! -ou não-. Estava fazendo uma mega-pesquisa sobre o espaço e tals, aí não pude resistir a postar algumas curiosidades aqui, mas especificamente sobre a Lua, esse satélite que todos conhecemos, mas ninguém conhece direito -oi?-. Gente, abram a mente de vocês e pesquisem sobre coisas que vocês acham que conhecem, é surreal o quanto eu achei sobre essa coisinha que parece tão pequena e insignificante que é a nossa Lua. 


Às vezes, em uma noite comum, observamos a Lua meio vermelha. Isso porque quando observamos um astro no horizonte, a luz que nos chega dele atravessa uma massa de ar da atmosfera bem maior do que quando ele está alto no céu, sendo, por isso, mais absorvida. Essa absorção é menos intensa para a cor vermelha, deixando a Lua essa coloração. Esse efeito é acentuado pela poluição, pois mais partículas de poeira e gás estão no ar, aumentando a absorção. Conforme a Lua se eleva, a absorção é menor, e, com isso, a vemos mais branca.

A Lua pode ser vista durante o dia enquanto ela está nas fases crescente e minguante. Nas fases de cheia e nova não é possível vê-la durante o dia por causa da disposição de sua órbita em relação ao Sol.

A Lua possui uma atmosfera tão tênue e fina que podemos considerá-la desprezível. 

A Lua tem grande quantidade de crateras visíveis devido a falta de erosão significativa por não conter água líquida e atmosfera que forme ventos. Atualmente, as sondas enviadas à órbita lunar mostram indícios de que há gelo de água nas crateras -mistérios misteriosos de novo.

A lua não é maior no horizonte, esse fenômeno é apenas aparente. É uma ilusão pelo fato do nosso cérebro comparar o tamanho da Lua com os objetos próximos a ela no horizonte -prédios, casas, árvores...- Quando a Lua está bem acima do horizonte, no alto do céu, o seu cérebro não terá esses objetos para comparar o tamanho, e por isso parecerá menor. Na verdade, no horizonte ela fica menor, pois está mais afastada, porém nada que conseguíssemos perceber a olho nu.

A ideia de que a Lua é maior quando está próxima do horizonte é bastante antiga. Chineses e gregos já mencionavam esse fato mais de três séculos antes de Cristo. E não é só a Lua: qualquer objeto extenso no céu e perto do horizonte, como uma constelação, também parece maior.

É muito mais fácil ver detalhes da superfície lunar quando ela está nas fases crescente ou minguante. Isto porque a luz do Sol estará muito inclinada em relação a superfície lunar durante essas fases. Essa inclinação criará sombras na superfície, e assim, as irregularidades do solo lunar serão mais perceptíveis.

Não há nenhuma comprovação científica para a influência da Lua na data do corte de cabelo.

A Lua influencia na agricultura, a luz dela pode modificar o crescimentos das plantas, a atividade dos insetos de voo noturno e no comportamento noturno de alguns animais.
Muitos leigos pensam que a Lua não gira em torno de si mesma, pois ela sempre mostra a mesma face para nós. O fato é que o período de rotação da Lua em torno de si e o período de rotação em torno da Terra estão sincronizados. Essa sincronia faz com que vejamos sempre a mesma face da Lua.

As marés oceânicas são causadas pelas forças gravitacionais entre a Terra e a Lua. Os oceanos estão mais sujeitos a deformações do que a superfície sólida da Terra, e esticam-se ao longo da linha direta para a Lua. E porque a Terra gira muito mais rapidamente que a Lua na sua órbita, as protuberâncias movem-se pela Terra uma vez por dia, dando duas marés diárias.

A Lua é o quinto maior satélite do Sistema Solar. Uma espécie de bola fria, seca e sem vida, mas que ilumina algumas noites com a luz que reflete do Sol. É tão cheia de crateras que ganhou o apelido de queijo suíço. Por ser o astro mais próximo da Terra foi o primeiro a ser explorado com mais cuidados, sendo que até hoje é o único que foi visitado pelo ser humano.

Existe um lado oculto da Lua -Adorei sua piada com Transformers, não adianta disfarçar, caro leitor- e não o vemos porque a Lua tem sincronia do seu período de rotação ao redor de si mesma com o período de rotação ao redor da Terra. 

O nome Lua é derivado do nome dado pelos romanos: Luna. Para os gregos era Selene, a deusa grega que representava as fases da Lua. 

Desde a antiguidade a humanidade já percebera que a Lua possui movimentos periódicos, fases e eclipses. Mas era complicado entender alguns desses fenômenos. Um dos fenômenos periódicos que foram úteis na época seriam as fases da Lua. Estes se repetem em intervalos regulares de 29 ou 30 dias e deu origem aos meses do ano. 

Galileu pôde perceber que a Lua tem uma superfície complexa assim como a superfície da Terra: montanhas, vales, baías, depressões e muitas crateras.

A Lua fica a uma distância média da Terra de 384.400 km. 

A Lua tem 1/4 do diâmetro da Terra e cerca de 3.475 km de diâmetro. Sua massa é aproximadamente 80 vezes menor do que a massa da Terra.

Acredita-se que o núcleo da Lua tem cerca de 340 km de raio, que equivale a 2% da massa da Lua.

O povo da Guatemala e México dizia que as manchas lunares representavam um coelho ou um cachorro. Para o povo do Peru, era uma figura de um ser humano. Para os incas as manchas eram devido ao ciúme do Sol, o qual jogou poeira na face da Lua.

A lenda japonesa pra isso é que o coelho está moendo mochi-gome em um pilão, um tipo de arroz glutinoso, para fazer mochi, bolinho consumido em festivais. Por sinal, o processo de fabricação tradicional do mochi, que consiste em moer o arroz no pilão, chama-se "mochi-tsuki", e "tsuki" é a mesma coisa que "lua" em japa e sua pronúncia se assemelha com "mochizuki", que significa lua cheia. Vale lembrar que os mochi são brancos e redondos, como a lua cheia.

A estrutura interna da Lua lembra muito a da Terra, sim, lá tem manto, magma, crosta e as bagaças todas, porém o interior da Lua não está ativo. Isto significa que não há atividade vulcânica na Lua.

O seu centro de massa da Lua está deslocado em direção à Terra em cerca de 2 km do seu centro geométrico. E a crosta, no lado que sempre fica apontado para a Terra, é mais fina do que no lado oposto. 

A Lua não tem um campo magnético gerado internamente. Entretanto, há áreas de magnetismo preservadas na crosta lunar -mistérios misteriosos astronômicos-. 

A teoria mais aceita para explicar a origem da Lua é que um objeto aproximadamente do tamanho de Marte atingiu a Terra há cerca de 4,6 bilhões de anos. A colisão aumentou a velocidade de rotação da Terra e gerou escombros que ficaram ao redor orbitando o planeta. Com o tempo o material em órbita da Terra começou a se aglomerar e veio a formar a Lua. A teoria surgiu após análises das rochas lunares trazidas para a Terra no Projeto Apollo. Ela explica o fato das proporções de alguns elementos isotópicos -mesmo elemento químico mas com quantidades diferentes de nêutrons no núcleo- serem idênticas nos dois lugares.

O ser humano conseguiu chegar à Lua e trazer à Terra pedaços do solo lunar. Isto tornou possível analisar e identificar a composição do solo da Lua. Ao todo, foram trazidos 382 kg de rocha pelo programa Apollo da NASA. Já no programa Luna, da União Soviética, foram algumas poucas centenas de gramas -mãe Rússia, sei que você prepara algo fodástico-.

Verificou-se que o solo lunar é composto de substâncias semelhantes às da Terra e com os mesmos minerais. 

Segundo pesquisas, no decorrer do tempo, a crosta recém formada da Lua foi atingida por inúmeros bombardeios de meteoritos dando origem a crateras de diversos tamanhos. Há uns dois bilhões de anos atrás, o choque de meteoritos com grandes dimensões, alguns quilometros, provocaram grandes depressões na superfície.

As rochas claras na Lua são constituídas de óxido de cálcio, alumínio e silício. As regiões escuras apresentam grande quantidade de ferro e titânio vindos das regiões mais internas da Lua pelo magma.

Pelo fato da órbita da Lua ser elíptica, periodicamente ela se afasta e se aproxima da Terra. E assim, há uma diferença no tamanho da Lua vista da Terra.

A Lua tem sempre uma metade iluminada pelo Sol. A metade iluminada muda no decorrer da sua órbita ao redor da Terra. Se a face que vemos está toda iluminada, ela é chamada de Lua Cheia, e se a face toda iluminada é a oposta, será chamada Lua Nova. No decorrer dos máximos das fases, a parte da Lua que está iluminada vai alterando.

Quando o Sol, a Terra e a Lua ficam alinhados -com a Lua na sombra da Terra- ocorre um eclipse lunar. O eclipse será total se a Lua estiver inteiramente dentro da sombra; será parcial se só uma parte dela passar pela sombra. Há também o eclipse penumbral que ocorre quando a Lua passa na penumbra da Terra, mas este não é muito perceptível aos nossos olhos, pois a Lua apenas diminui um pouco o brilho. Um eclipse lunar pode ser visto em qualquer parte da Terra em que for possível ver a Lua acima do horizonte. 

Um eclipse lunar não ocorre toda vez que a Lua está cheia porque os planos das órbitas da Lua e da Terra não coincidem. A órbita da Lua é inclinada cerca de 5 graus em relação a órbita da Terra ao redor do Sol. Dessa forma, algumas vezes por ano há condições de ocorrer um eclipse lunar.

Fontes: (www) (www) (www) (www) (www) (www) (www) (www

Esse foi o post com mais fontes da história do DdO, pensa que é fácil pesquisar sobre o espaço? -qq

8 comentários:

  1. eu sou apaixonada por astronomia, adoro as luas, mas as dos outros planetas rsrrs

    Com carinho, Hina | Aishiteru em Contos |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto do desconhecido em geral, não só astronomia, tudo que é desconhecido, é interessante

      Excluir
  2. Espaço...a fronteira final (kkk, tá parei)
    Yo Hari!!!!
    Sempre achei a lua um astro muito bonito, dando destaque á lua vermelha e a cheia...ambas são fascinantes, pra não falar dos eclipses. Eu nunca fui das melhores em astronomia; Na minha antiga escola tinha tipo um ENEM de astronomia, sabe? Sempre fiquei nos penúltimos lugares. Um cara que eu ainda tenho apreço em escutar falando de astronomia é Carl Sagan, eu amo os documentários dele <3
    Bem, é isso!!!!

    http://docetesrevolts.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi oi Lives! A Lua é realmente linda, mas eu devo ser muito estranha, todos amam quando ela está cheia, mas eu acho ele muito mais linda quando está na fase nova, quando está só um risquinho no céu <3
      Na minha escola eles não focavam muito em astronomia, mas eu sempre gostei, eu amo tudo que é desconhecido, o espaço é um deles

      Excluir
  3. Anônimo7/24/2017

    eeeerrr... entendi paçocas , a lua é um astro muito bonito, eu sempre gostei muito da astronomia, sempre gostei muito da lua, mas o que me fascina mesmo são as estrelas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entender paçocas é entender tudo ou nada? -qq
      Estrelas são lindas, qualquer dia trago curiosidades sobre elas, me deu uma ótima ideia!

      Excluir
  4. kkk, entendi paçocas: Nao entendi nada, nada e mais nada, só sei que paçoca é bom.

    ResponderExcluir

Vai comentar? Leia as regrinhas:

~ Pode abusar dos palavrões o quanto quiserem, mas ofensas serão excluídas. Caso queiram criticar, críticas construtivas por favor;
~ "Seguindo, segue de volta?" Sim, mas fale um pouco do post também;
~ Pedidos? Fiquem a vontade;
~ Lemos a todos os comentários e sempre os respondemos;
~ No fim do comentário deixe o link de seu blog, se gostarmos, seguimos com prazer .

Pode comentar agora!