Vamos falar sobre yaoi, por que não?

01/03/2016 || || ||
Oi oi gente bonita! Tava aqui de boas no bom e velho facebook quando me aparece uma guria "O que é yaoi?", fiquei meio abestalhada do tipo "Quem no século 2016 -erro proposital- desconhece yaoi?" e me inspirei a fazer esse post. Um post abordando yaoi em um tema sério, pela primeira vez na vida, por causa disso, o post vai sair meio grande, mas quem não quiser ler ele inteiro, podem pular para os títulos que interessam a vocês. Primeiramente, o que significa essa palavra "Yaoi"? Yaoi é um termo usado aqui no ocidente pra se referir a uma relação entre dois homens -ou mais né, nunca se sabe-. No Japão, esse mesmo significado é válido para o termo "Boy's Love", ou abreviando, "BL".

Depois dessa breve definição, vamos dar nossos pulos para os termos do universo yaoi. Os termos mais usados, são, sem dúvida, uke e seme. Quando um casal é yaoi -acho que os termos também valem para o yuri-, existe o seme -que é o ativo da relação- e o uke -o passivo da relação-, há ainda o seke -ou flex- que é meio "foda-se" se é ativo ou passivo o que importa é transar ser feliz -daqui a pouco volto para essa parte de seke e explico melhor esse negócio-. Geralmente, quando a gente vai nomear um casal, colocamos o seme na frente, por exemplo, Zoro + Sanji = ZoSan ou então Percy + Nico = Pernico. Mas tem casais flex, né? Por isso, essa pequena regra está fugindo ultimamente, como é o caso de Nezushi: O Nezumi não é seme nem uke, acho até que ele é mais uke do que seme, mas ele tá na frente porque o nome do casal soa melhor assim.

O segundo -ou o primeiro, sei lá- termo que nos é apresentado quando chegamos ao mundo do yaoi é o termo Fujoshi. Esse eu acho que todos sabem, ele se designa para aquela garota que gosta muito de yaoi -garota, prestem atenção- e, ao pé da letra é, originalmente, um termo japonês pejorativo que significa "moça estragada", "louca" ou "pervertida" porque não é normal uma garota gostar de dois homens ou mulheres tendo relações. Sim! Para quem não sabia, os termos Fujoshi e Fudanshi -masculino de Fujoshi- também servem para descrever fãs de yuri. Sempre que falo "Sou Fujoshi e gosto de yaoi" a pessoa fica meio "Avá? Sério?" aí tenho que explicar que o termo não é só pra fãs de yaoi.

Mais uns termos para vocês, eles não possuem relação direta com o yaoi, mas é sempre bom falar: Fanfics e Doujinshis. Os dois servem pra se referir a publicações que independem de empresas e que é feito por um simples fã, o cara vai lá, cria uma história, pega personagens já existentes ou até cria eles e pronto! Eles não tem relação direta com o yaoi porque existem vários gêneros de histórias, né? Mas são belas maneiras que fãs de yaoi, como eu, ocupam o tempo. Mas pera, qual a diferença entre fanfic e doujinshi? A fanfic -"fanfiction" ou até mesmo "fic"-é um texto corrido mesmo, em prosa e o doujinshi -"doujin" ou então "dj"- é tipo um mangá mesmo.

Esse eu passei por cima quando falei de uke e seme: Shippar. O que é Shippar? O termo vem de shipping, que remete a relationship -uma relação qualquer- e o "shippar" é usado na atualidade como sinônimo de "torcer para um casal", geralmente de histórias fictícias como livros, animes, filmes e essas coisas, não necessariamente precisa ser homossexual. Dito isso, "ship" é o casal em si, "OTP" é a sigla de one true pairing, ou seja, como se fosse o casal supremo, o casal que você ama profundamente. E ainda há o termo shipper que é para aquela pessoa que shippa muito.

Classificando o yaoi
Partiu pro yaoi mesmo, os sub-gêneros que eu conheço são esses, na ordem de mais leve até o mais pesado: o Shounen-ai, o Yaoi propriamente dito, o Lime e o Lemon.
Shounen-ai: Aquele romancezinho, bem leve, daqueles que a pessoa às vezes não percebe que é yaoi. Por exemplo, Loveless e Princesss Princess.

Yaoi: É o romance, porém é mais explícito que o shounen-ai, alguns possuem cenas implícitas de sexo. Exemplo mais que atual: Love Stage. Só uma nota, todo shounen-ai, lime ou lemon são yaoi, mas nem todo yaoi são shounen-ai, lime, lemon ou hard-lemon.

Lime: História com cenas de sexo implícitas, apenas. Fico meio na dúvida pra falar desse subgênero porque normalmente consideram-se os animes yaoi como "os que tem sexo" e "os que não tem sexo", mas ainda digo que o queridinho Junjou Romantica é Lime então por favor, parem de indicar essa porra para fujoshis iniciantes, tem sexo sim e tem pra caralho.

Lemon: É o hardcore mesmo, com cenas explícitas, não necessariamente sem censura. O único Lemon que conheço sem censura é Sensitive Pornograph, a maioria é censurado mesmo, mas são considerados Lemon. Tipo, Koisuru no Boukun, Maiden Rose, Ai no Kusabi... Essas coisas

Alguns extras
Bara: feito por homens. Bara vem da palavra inglesa "bear", urso e há quem diga que vem do japonês para "rosa", vinda da revista "Barazoku" -tribo das rosas, em japonês-. O bara conta com personagens viris, musculosos e alguns até peludos, tanto no seme quanto no uke. Exemplos como Close the last door, Ikoku Irokoi Romantan e Fake.

Shotacon: O subgênero que traumatiza a maioria do pessoal, é aquele que contém cenas de sexo explícito entre um adulto -independente do gênero- e uma criança de sexo masculino. Um exemplo mais do que batido é Boku no Pico, mas não é o único, Shounen Maid Kuro-kun é um outro trauma lindo. Há ainda aqueles que a gente pensa que é shotacon, mas quando vai ver, o uke tem mais de 18 anos, como é o caso de Okane ga Nai.

Polêmicas do yaoi: Estupro? Crime? Nada, o uke gosta!
Já notaram que em quase todo mangá tem estupro ou assédio sexual? O pessoal chama de "sexo sem consentimento" pra amenizar, mas parem de se iludir, sexo sem consentimento é estupro sim! Mesmo que os dois formem um casal ou se conheceram agora, se a pessoa disser não e a outra insistir, já é estupro. Pode até ser que lá no fundo a pessoa queira, mas ela disse não, certo? Significa que ela precisa de tempo pra ter um momento de sexo. Pensa comigo, se você tiver falando no telefone com uma amiga e vem o seu crush na agressividade contigo? O que você faz? É seu crush, não é? Mas você estava a fim de sexo naquela hora? Não! É estupro.

Estupro é a coisa mais no sense dos yaois. Pensemos: Se você por acaso for estuprado, com muita certeza não vai reagir, vai gemer falar sensualmente docemente para a pessoa parar e, logo depois, vai responder a todos os estímulos da pessoa. Claro né? Claro que não! Por mais que a pessoa esteja aterrorizada ou paralisada pela ação, não se entregariam tão fácil, a cena real seria de uma pessoa se debatendo para escapar. Existe uma doença real -não lembro o nome- que a pessoa violentada se apaixona por seu agressor, mas tem um porém: É uma doença rara e precisa de tratamento.

Vamos falar primeiro na vida real: Estupro é um crime sério e é uma experiência traumática pra quem sofre, certo? Todas sabemos disso. Por que ninguém pensa nas pessoas que já foram violentadas? Imagina só, uma pessoa traumatizada lendo um mangá yaoi com essa romantização de estupro. No mínimo ela ficaria ofendida, talvez até fique meio "Putz, mas que história mentirosa é essa que zomba do que eu passei?", o nojo tomaria conta dessa pessoa.

Agora vamos para um yaoi: Junjou Romantica é o fácil de explicar. O foco é no Misaki e no Usagi, basicamente o irmão mais velho do Misaki quer alguém para ser tutor do mais novo e confia no Usagi pra executar tal tarefa. Aí rola umas trocas de olhares básicos e nem acaba o primeiro episódio quando vemos a primeira cena de abuso sexual entre os protagonistas. Okay, o enredo rola e vemos uma cena de sexo. Claro, sexo sem consentimento. O Misaki diz não repetidas vezes e o empurra e o Usagi continua o ato até conseguir o que deseja, as primeiras cenas de sexo são todas assim. Mais depois, o Misaki começa a ceder um pouco, porém continua dizendo não como sempre disse, e nada adianta. Ao passar dos episódios, ele até já falou um "Eu acho que te amo" ou um "Talvez eu te ame", como se, magicamente, se descobrisse gay. Cadê a verossimilhança nisso? Nem vou falar que o Usagi é abusivo, ciumento, manipulador e até ameaçador.

Mais um que geral conhece: Koisuru no Boukun. Amo o mangá de Koisuru, admito. Porém mesmo que esteja estampado na cara do Tatsumi-senpai um grandioso "me come", quando ele diz não, o Morinaga não se importa. Na verdade, até se importa, mas usa a desculpa de "não conseguir se controlar", outra clássica nos semes dos yaois, falam como se instinto sexual fosse uma coisa impossível de se manter o controle, ainda mais que o Morinaga já esperou tanto pelo Tatsumi, aí vem com "não me controlo"? Não me parece verídico.

Citei Koisuru para ninguém dizer que é birra com Junjou. Nos dois, os ukes dizem não quase sempre e de nada adianta, como se não bastasse, os respectivos autores da obra fazem os dois ukes gostarem muito dos semes para não parecer abuso, e sim apenas culpa do uke de não assumir que está apaixonado, quando na verdade é culpa dos dois: Tanto do uke por não assumir seu amor, quanto do do seme em ignorar os sentimentos do uke. Tem ainda alguns yaois que o uke chora e implora que, por favor, não abuse dele, mas de nada adianta também.

Mais polêmica: E esse negócio de feminilidade do uke?
Uma coisa que sempre quis dialogar com alguém é o tanto de estereótipo que colocam nas classificações de uke e seme, principalmente do uke. O que quero dizer com estereótipo é que é muito fácil dizer quem é uke ou quem é o seme, só de bater o olho e saber que se trata de um yaoi, já é possível identificar quem assume qual papel na hora h.

Isso não é de todo ruim, mas compromete a verossimilhança do negócio, geralmente em algum anime yaoi o uke é aquele mais fofo, com uma voz feminina, um jeito feminino de agir, uma feminilidade em sua personalidade como um todo: O uke é tímido, mais baixo, inseguro, delicado e por vezes tsundere. Não estou dizendo que mulheres são assim, estou dizendo que essas características geralmente são postas em uma mulher. Já o seme é um homem como você pode imaginar, sem nenhuma feminilidade em seu ser, o seme é másculo até as últimas forças.

É nessa diferença de feminilidade que está o problema. Vamos comparar com a realidade: Imagine dois gays passando de mãos dadas na sua rua. Certamente o que você pensou é totalmente diferente dos yaois -a menos que você seja uma fujoshi louca-, isso porque não há esse tipo de estereótipo na vida real, o que é costumeiro ver são duas pessoas, nas quais não conseguimos identificar de cara quem é o passivo ou o ativo. Às vezes eles mesmos não sabem dizer quem é ativo ou passivo porque não se limitam a isso, eles são o que tiverem vontade de ser na hora do sexo. Outra coisa bem marcante nos yaois: O seme nunca irá se comportar como uma garotinha e o uke nunca se comportará como um macho alfa, o que também não é nada parecido com a realidade.

Querem saber ainda outra coisa? Nos yaois, o uke sozinho -sem o seme- ainda é facilmente identificado como uke, mas o seme quando está sozinho, parece hétero. Em outras palavras é como se fosse a visão de um relacionamento hétero dentro de um relacionamento homoafetivo, como se o uke fosse, na verdade, uma mulher. Claro, tem aquela desculpa que o yaoi é subgênero do shoujo e é voltado para o público feminino, a maioria dos yaois é feito por mulheres. Com essa justificativa explica também o porque que as histórias são mentirosas, já que é feito pra agradar mulheres e não pra mostrar a realidade. O problema é que é demais mesmo, um exemplo é Okane ga Nai, olhem os protagonistas:

Foda-se a personalidade e preferências de cada um, só de olhar já dá pra perceber quem é quem. Ainda falando de estereótipo do uke, este é, quase sempre, menor que o seme. Não tem problema também esse negócio de estatura, mas é sério que o uke precisa mesmo parecer um guri de 12 anos transando com um machão de 25? Okane ga Nai continua sendo um exemplo, juro que o protagonista uke tem mais de dezoito anos, não foi eu que inventei. Mas com essa aparência, duvido muito dessa idade, eu até duvido que ele seja um homem, ele é uma incógnita.

E isso remete a outro defeito: Julgar as pessoas pela aparência. Sei que as pessoas que assistem esse tipo de anime deveriam ter uma mentalidade boa o suficiente pra notar que é errado julgar as pessoas, mas sabemos que não é bem assim, conheço umas gurias de 12 ou 13 anos e que amam uns yaois com estupro, por exemplo. Dependendo da pessoa, ela pode crescer achando que jugar as pessoas é certo ou que sexo sem consentimento é algo normal.

Puxando mais um pouquinho pra outro assunto: Vou falar do flex ou seke, aquele que nem é uke ou seme, é aquele que te engana, que não tem estereótipo. Geralmente eles não são vistos em yaois convencionais, o que a gente vê de seke são aqueles dois que possuem um potencial para ser seme, ou seja, os dois são dominantes. Porém o conceito de flex é muito maior, na vida real, o casal flex é aquele casal que não se importa do jeito de fazer amor, eles se importam de estarem se amando juntos. Por isso é tão comum vermos casais desse tipo na realidade, até porque ninguém vai restringir suas escolhas só pelo capricho de ficar por cima -ou por baixo-, algumas pessoas têm preferência sobre o posicionamento, mas geralmente o que rola é um pessoal mais seke mesmo.

Só o fato do casal ser seke já traz verossimilhança, sem falar que é mais bonitinho casais que se amam sem se importar com que posição vão ocupar. Exemplo? Shion. Veja sua aparência do lado, o que diz? Uke? Errou. Mas na real? Nem eu sei... Ele varia de atitude, assim como o Nezumi, tem horas que o Shion é mais fofo e puro como o típico uke e tem horas que ele assume características másculas e talentosas como o típico seme, com o Nezumi é o mesmo, ou acha uma pura atitude de seme se vestir de mulher para atuar? Outro exemplo é o Morinaga e o Tatsumi-senpai, em toda a obra o Tatsumi foi uke, mas concordem que Tatsumi é forte, assustador e agressivo como os semes e que Morinaga é mais delicado e aparentemente frágil como os ukes, eles têm o potencial pra ser flex a autora não explorou porque não quis.

A maior polêmica do seke são as próprias fãs do gênero, muitas não conseguem se acostumar com tal personagem como uke ou seme. O Rivaille é um exemplo, se alguém escrever alguma fanfic com ele de uke, metade da população fujoshi desce o cacete na autora, não entendo o porque disso. Acho que o Rivaille tem um perfeito porte pra uke por ser revoltadinho e tudo mais, e ele tem algumas atitudes de uke como o nojinho por lugares sujos ou mesmo o fato de não ter, aparentemente, nenhum apego aos companheiros, até sua altura contribui, concordo que o Eren é um uke tão uke que supera a ukeza do Rivaille, mas gosto mais dos dois como casal flex. Infelizmente, tem gente que não aceita e acha que existe um jeito certo pra shippar dois homens. Só que não. Foda-se quem shippa flex, não há problema nisso.

Curiosidades aleatórias
Dia 1º de agosto é o Dia Nacional do Yaoi, agora conhecido como YaoiDay.

O termo "seke" tem uma outra subdivisão chamado "Riba", "Reba", ou simplesmente chamado de "Reversible". Como disse ali nas polêmicas, o seke pode ser aquele cara que troca de posição com o seu companheiro, mas ele também pode trocar de posição apenas quando for mudar de parceiro. Vamos supor: Temos aqui o Joãozinho, o Joãozinho é seme do Marquinhos. Aí Joãozinho e Marquinhos terminam a relação. Só que depois o Joãozinho acha Carlinhos e começa a namorá-lo, porém agora Joãozinho não é seme, ele é uke porque o Carlinhos é mais macho que ele. Joãozinho é seke. Mas há ainda um outro casal: O Pedrinho e o Luquinhas. Esse último casal é bem fora da rotina, sabe? Eles mandam um foda-se para a posição que eles estão na hora do sexo e podem assumir o papel de uke ou seme. Pedrinho e Luquinhas são, além de um casal seke, são um casal reversible. Entenderam? Todo reversible é seke, mas nem todo seke é reversible.

Muitos ecchis -sabe aqueles de 13 ou 12 episódios?- tem yaoi fanservice inserido. E muitas vezes, aquela garota moe de animes harém é fujoshi.

Meio óbvio, mas algumas pessoas não sabem que o número 801 é outro nome para falar de yaoi, aí você pergunta: Por quê? Bom... Na forma reduzida do número 8, ele é lido como "ya". O zero teve uma influência do ocidente para ser pronunciado como a letra "o" e, por fim, o 1 na sua forma reduzida tem o mesmo som da letra "i".

Crossplay é um termo que é quase trap ou travesti, significando, ao pé da letra, vestir-se ou representar um personagem do sexo oposto. É tipo quando você faz um cosplay do sexo oposto ao seu, quando a pessoa leva isso a sério, é chamado de Crossplay. -tem mais a ver com o universo cosplay do que yaoi, mas ok-.

Bishounen não tem a ver com yaoi, ok? Bishounen é só um termo para designar rapazes bonitos, ou seja, um yaoi pode muito bem não ser bishounen e um bishounen pode não ser yaoi, são gêneros diferentes e independentes um do outro.

Alguns posts do DdO e de parceiros sobre o tema
Nesse post eu falei dos meus OTPs yaoi nos animes, tanto cannon quanto shipp mesmo, foi um post que amei fazer. Esse post aqui foi um que o Rih cumpriu a promessa que fez comigo sobre assistir No.6 e fez uma resenha. No.6 não é propriamente um yaoi, mas é um bom anime, então aqui está uma indicação de anime pra vocês.

Aproveitando essa onda de No.6, leiam uns posts da nossa especialista favorita: A Any-chan. Esse é o blog de No.6 que ela tem, fucem os ótimos posts de lá, ela fez vários sobre No.6 e sobre o yaoi em si e esse é um post abordando uma das polêmicas do universo yaoi e que não falei aqui pra despertar o mínimo de interesse pra vocês, é um texto que o mundo precisa ler.

Esse é o blog da Hina-chan, a diwa do universo sensual, ela falou sobre yaoi nesse post. Ela também falou de polêmicas do yaoi nesse outro post. Ainda sobre as polêmicas, a diwa da Mika fez um post aqui sobre romantização de estupro e sobre como os yaois estão muito mais safados, na verdade ela falava de muitas coisas bacanas nesse blog, desde zuêra até polêmicas, fucem o quanto quiserem -falava sim, ela tem um novo blog agora-.

Pra quem quiser zoar com a minha cara, cá um post muito antigo sobre quando falei de yaoi pela primeira vez aqui no blog, foi apenas de zuêra, está incompleto e meio tosco -justamente por ser zuêra-: (www). E esse outro post é um tanto antigo também, fiz na zuêra pra falar dos clichês nos animes yaoi.

"Pequena" lista de animes yaoi
  • Junjou Romantica (Lime)
  • Koisuru Boukun (Lemon)
  • Sekai-ichi Hatsukoi (yaoi)
  • No.6 (quase shounen-ai)
  • Tokyo Babylon (shounen-ai)
  • Love Stage (yaoi)
  • Okane Ga Nai (Lemon)
  • Enzai (shotacon)
  • Natsuyasumi (shotacon)
  • Earthian (shounen-ai)
  • Shounen Maid Kuro-kun (shotacon)
  • Mirage of Blaze (yaoi)
  • Close the last door (Lemon)
  • Switch (shounen-ai)
  • Fake! (Lemon)
  • Shiritsu Araiso Koutougakkou Seitokai Shikkoubu (shounen-ai)
  • Vassalord (yaoi)
  • Monochrome Factor (shounen-ai)
  • Level C (Lemon)
  • Ai no Kusabi (Lemon)
  • Seito Kaichou ni Chuukoku (Lemon)
  • Boku no Sexual Harassment (Lemon)
  • Marginal Prince (shounen-ai)
  • Yami no Matsuei (shounen-ai)
  • Boku no Pico (shotacon)
  • Pico x Chico (shotacon)
  • Pico x Chico x Coco (shotacon)
  • Antique Bakery (shounen-ai)
  • Kaze to Ki no Uta (shounen-ai)
  • Fujimi Orchestra (Lemon)
  • Viewfindrer (Lemon)
  • Ryukunohara Labyrinth (shounen-ai)
  • Tight-Rope (shounen-ai)
  • Maiden Rose (Lemon)
  • Kono Ningyo Hiroimashita (shounen-ai)
  • Tasho no Tsuki (shounen-ai)
  • Ikoku Irokoi Romantan (Lemon)
  • Gravitation (yaoi)
  • Gakuen Heaven (shounen-ai)
  • Kachou no Koi (yaoi)
  • Sex Pistols (Lemon)
  • Kirepapa (Lemon)
  • Robotica Robotics (shounen-ai)
  • Princess Princess (shounen-ai)
  • Kimera (yaoi)
  • Sensitive Pornograph (Lemon)
  • Suki na Mono wa Suki Dakara Shouganai (shounen-ai)
  • Loveless (shounen-ai)
  • Angel's Feather (shounen-ai)
  • Hybrid Child (Lime)
Finalmente acabamos o post, moçada!
Foi bem difícil terminar esse post, tanto que eu terminei ele um dia depois do previsto -que foi ontem-, então quero saber o que acharam dele, gostam de posts desse tipo? Querem sugestões? E quanto às polêmicas? Quais são as opiniões de vocês com relação a elas? Lembrando que é tudo meu, então pode ter um errinho aqui ou ali na classificação de alguns animes dessa lista do final, ok? Créditos básicos para a Liga dos Betas e para o Blyme Yaoi, mas de resto, é tudo meu MUAHAHAHAHA!

20 comentários:

  1. ah Junjou foi meu segundo depois de Gravitation e adoro o misaki...
    bem essa questão de estupro é muito complicada, mas em Okane ga nai achei muito péssima, bem pra ser sincera nem gostei desse anime... Verdade seja dita que esse mangas e animes não mostram uma relação real, do modo como ela é tem muitas coisas exageradas e muitas vontades loucas implícitas neles... isso é um pouco parecido com Otome game +18, mas nesse caso a relação é um pouco mais real que os de idade livre... exceto essa parte do abuso... Mas quanto ao desejo fisico acho bem veridico...
    Tenho muitos anime Yaois para ver, mas agora dei uma parada para conseguir terminar os que ja comecei, odeio interromper algo no meio...

    mas como alguem não sabe o que é yaoi, fiquei pasma, cadê a cultura
    Otome Game br e +

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até vejo Junjou, e até gosto do Misaki, mas o Usagi às vezes me tira do sério, ele prende muito, é ciumento demais, ele manipula o coitado do Misaki pra fazer o que ele deseja.
      Mas é isso, os Otome Game +18 não são tão famosos quanto o yaoi, e também não vejo o pessoa do fandom achando que o jogo trata de um assunto normal.
      O desejo físico acho verídico também, mas não que é algo incontrolável, isso não. Eu não, só a terceira temporada de Junjou tenho pra ver, mas do jeito que o Usagi está me irritando, eu parei de ver, talvez eu volte.
      Né? Também fiquei meio bosta quando a guria falou que não sabia o que era yaoi, não que seja obrigação dela -afinal, nem é tão culto assim-, mas é meio raro uma pessoa não saber hoje em dia.

      Excluir
  2. Postagens sobre a problemático da yaoi são uma coisa importantíssima: para alertar quem não sabe muito de yaoi e deixar claro que várias fujoshis têm senso crítico sobre os seus próprios gostos; para alertar aquelas menininhas que se dão muito bem com yaoi de que sim, é possível gostar de algo problemático e mesmo assim estar ciente de que esses esteriótipos não devem ser reproduzidos; e para, caso seja muita gente a manifestar-se, o próprio mercado começar a mudar. Seria algo maravilhoso, e a bem ver, há muitas mais pessoas dedicadas a falar da questão da representatividade (lgbt+ e não só), a criticar fanservice e uma série de coisas que eu poderia relacionar, embora não queira fugir muito do post.

    Tenho de agradecer por deixar aí o link do blog da Mika - só quando o abri é que notei que ela tinha um novo blog agora, bem mais abrangente, o que me parece combinar com a nova faceta dela. E deixar por aí links meus, da Hinata, da Lena... todos esses posts do nosso círculo da blogosfera sobre as ditas problemáticas reunidos num único lugar já são motivos para abençoar a sua postagem, sabia? Mas o mais incrível é o trabalhão que este post deve ter dado, porque você não se limitou a desenvolver tópicos importantes, também deu todas as definições possíveis e ainda reservou um espaço para curiosidades. COMO.É.QUE.CONSEGUIU?

    Eu vou pular a parte dos conceitos, porque não há muito em que opinar aí - apenas fiquei a saber uma coisinha extra sobre bara e o seu post foi o primeiro a clarificar na minha cabeça a diferença entre seke/flex e reversible. Mas realmente, quem é que em pleno "século" 2016 não sabe o que é o yaoi? E eu já tinha ouvido dizer que fãs de Yuri são "Yurikos" mas bem me pareceu que fosse só invenção.

    E eu sempre achei que essa coisa do estupro/sexo não consentido não era apenas incorreta de mostrar, era insultuosa e extremamente insensível por zombar de quem já passou por situações parecidas. É difícil ter isso em conta? Como é que as autoras, mulheres que provavelmente também temem ser estupradas, representam uma coisa dessas? E a maneira puramente irrealista como o uke cede ao ato é ainda mais frustrante!... Eu também adoro Koisuru Boukun, é o segundo mangá que li mais de uma vez, mas sei que o Morinaga é bastante abusivo sim. Pelo menos o uke tem uma atitude desgraçada, daí ter tanta pena de a autora ter parado o mangá naquele ponto - quer dizer, quando o Tatsumi já tinha aceitado o Morinaga verdadeiramente?

    Ukes menininhos, ukes que parecem crianças... é, não admira que muitos homossexuais não gostem de yaoi, de tão fantasiado que este é. Principalmente por reforçar estereótipos (eu já conhecia o seu post dos clichés do yaoi, pode ser antigo, mas é bom) - essa coisa de julgar pela aparência, que você tão bem explicou - e obrigada por usar Nezushi como um exemplo digníssimo de seke :3 Também não percebo quem não respeita fics onde as personagens são seke, parece que querem que só os seus headcanons sejam respeitados... se calhar é por isso que nunca percebi shipwars, coisa ridícula.

    Ai, mas tenho pressa ainda agora, estou a escrever isto antes das aulas e não quero atrasar-me. Jaa! Com sorte, tentarei falar um pouco por face porque este post me deu uma ideia linda para tagarelar ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho um assunto importante de se relevar, nesse fandom de yaoi não vejo tanta ética, é muito raro ver fujoshis que expressam seu senso crítico, sim, não acredito que a gente possui um senso crítico bom o suficiente pra expor, afinal eu vejo muitas fujoshis loucas por uma romantização de estupro. Mas é, não gosto de generalizar, e também acredito que, se houver muita gente falando sobre isso, o mercado vai começar a abrir seus olhos. Não sou contra o fanservice, tanto que amo o fanservice de Kuroshitsuji, mas eu acho que se a obra não tivesse fanservice, muitas pessoas teriam coragem de ver o anime ou melhor, ler o mangá, pois ele passa uma atmosfera e uma filosofia que todos deveriam conhecer.

      Realmente deu duro pra juntar todas essas coisas, os posts não, eu já os tinha em mente -e eu é que tenho a agradecer por abrir os links e descobrir sobre o novo blog da Mika, que é tão genial quanto o antigo-, mas as curiosidades foi tenso pesquisar, eu queria abranger tudo e falar de tudo um pouco, para que seja um post completinho.

      E são poucas as pessoas que sabem diferenciar flex e reversible, quase choro quando vejo as pessoas dizendo que é a mesma coisa. Não sou frequente no fandom de yuri, mas acho que "Yuriko" é real, assim como o termo "Yaoísta".

      É meio repugnante viver no mesmo ambiente de pessoas assim, autoras de renome que provavelmente morrem de medo de serem violentadas estão a escrever mais e mais cenas de sexo não consentido ou estupro propriamente dito, as histórias podem até ser boas, mas os valores de ética que elas passam são, no mínimo, hipócritas. E pior, o uke não reage, apenas fala "palavras de encorajamento" para o seme continuar. E foi triste a autora parar, eu tenho amores por Koisuru e ela faz isso, putz! Ainda acho que, dentro desse mercado do yaoi que estamos, o Tatsumi reage bem mais do que outros ukes -q

      Isso, cadê a realidade no negócio? Ta bom que é só um anime, mas não conheço nenhum mangá yaoi que não tenha nem romantização de estupro, nem o uke menininha ou baixinho desse modo. Apenas No.6, mas convenhamos, No.6 nem deveria ser chamado de shounen-ai. Imagino a pessoa que está acostumada a tachar de uke e seme nos animes vai sair na rua tachando as pessoas, mesmo sem querer, é a realidade dela, sabe? Por isso que puxei esse ponto. E não consigo falar de flex sem falar de Nezushi, é meu casal seke favorito <3 Eu queria que mais pessoas pensassem mais fora da caixa, toda a gente só aceita o próprio shipp, o resto é resto, até a forma de shippar tá virando briga, mas que droga ;-;

      shuashasu pressa define. Tagarele o quanto quiser, eu falei demais nesse post, é perfeitamente normal que fale também -q

      Excluir
  3. cara eu gosto muito de yaoi, mas o lance do estupro é bem complicado.
    vejo mt gente citando que o uke vai gamar e falando várias barbaridades nos comentários de algumas páginas. fico mesmo chocada e tem alguns animes que nem assisto pq n consigo aceitar isso.
    gostei da lista no final. vou pesquisar alguns pra ver :) Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto do yaoi, mas essas polêmicas me deixam com uma pulga atrás da orelha, sabe? É um barbaridade, como você mesma diz. Não deixo de ver yaoi por causa disso, mas eu fico bolada... A obra tem tanto potencial e a autora põe essas coisas pra estragá-la, que bosta...
      A lista não são os melhores animes, são uns que eu já vi e lembrei na hora, tem uns aí que nem merecem estar aí, mas coloquei pra ser justa u.u

      Excluir
  4. Yaoi empata com Shoujo nos meus gêneros preferidos ♥
    A única classificação que eu não conhecia era Lime, devo ter visto o termo por aí, mas ainda não sabia o que era. > w <
    Eu acho um pouco de exagero dos autores fazerem um uke muito feminino, em alguns casos fica fofinho, adorável, mas em outros passa dos limites quando quase não dá para dizer se é um shoujo ou um yaoi só de olhar a capa. -q
    Sobre o abuso com os ukes muita gente prefere não ver esse ponto e chamar de "amor" mas que é verdade não podemos negar, tem tanto "yaoi abuso" hoje em dia que fica difícil achar mangás e doujinshis com casais gentis >n< Do yaoi para o shoujo tem uma diferença tão grande, porque num shoujo a autora enrola até o último do último do último (q) capítulo/episódio/temporada para o casal ter um beijo e no yaoi tudo corre tão rápido. Um anime que senti falta na lista foi Hybrid Child ele tem só três episódios (ou quatro, não lembro) e é super triste, cada episódio tem uma classificação, o primeiro é shounen-ai, o segundo yaoi e o terceiro lime. :3
    Kissus~
    Yuurei Neko

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shoujo não, mas yaoi é um dos meus gêneros favoritos.
      Lime é uma classificação que quase nunca é vista, isso porque ninguém liga como o anime mostra o sexo, algumas fujoshis só querem saber do Lemon e dos Hards, isso é meio deprimente também...
      Concordo nisso, às vezes o uke sai bonitinho, mas na maioria o que vemos é uma lástima.
      A quantidade de gente que fecha os olhos pra isso é imensa, eu me assusto até, como você disse, é raro ver algum anime ou mangá -e até fanfic- com um casal gentil e bonitinho sem ser meloso. Eu adoro esse imediatismo do yaoi, odeio ter que esperar séculos para que o casal dê um aperto de mão, mas acho que ultimamente o yaoi têm sido imediato até demais, às vezes os personagens mal se conhecem e já partem pro sexo, tipo... Quê? Comassim? É que na lista eu só considerei os animes que vi por completo, conheço Hybrid Child, mas por causa do tempo só vi o primeiro episódio -que afinal foi um episódio lindo e pretendo continuar a assistí-lo- e obrigada por lembrar, atualizarei a lista agora colocando esse anime fofo e que toda Fujoshi deveria assistir.

      Excluir
  5. Yoooo Hari \o/

    Okss, como eu curto uma mutreta vamos logo para a parte polêmica da coisa shaushuashau

    Esses tempinhos vi várias páginas do facebook de yaoi falando sobre a romantização do estupro. Enfim, essas páginas fizeram um post mostrando toda essa problemática e 90% dos comentários eram de gente revoltada e xingando eles! "Ah, porque eu shippo o que eu quero" "Esses mimimis aqui também" "É ficção!"........... Alguém manda uma luz divina para esse povo! Okks, eu até concordo um pouquinho com a parte da ficção e taals, liberdade para poder expressar o que quiser, mas o problema é que nem todo mundo consegue diferenciar ficção do real, sem mencionar que isso só irá estimular e tornar """"""normal"""""" algo que está longe de ser normal! Principalmente com esses shotacons...Okks eu curto romances shoujos entre garotas de seus 16 anos e seus professores lindões, mas não temos criança de 12 anos sendo abusadas!

    O problema maior nem está tanto no quesito "fazer o anime/mangá", mas em quem APOIA ISSO! Afinal: 1) Só irá estimular eles a fazerem yaois nesse contexto, enquanto outras obras com grande potencial e abordagens bem diferentes acabam enfrentando um mercado todo fechado para elas. 2) Querendo ou não, irá estimular as pessoas a pensarem que isso é normal "Ah, mas eu sei que não é", mas tem aqueles que não sabem! Como essas garotas que você mencionou de seus 12/13 anos, são ainda crianças, ou seja, ainda não tem toda a sua visão e pensamentos formados, sendo assim, se desde cedo elas já tem contato com isso, no final das contas elas passarão a achar isso normal e vão acabar incentivando outras pessoas a pensarem o mesmo! 3) Como você mesma falou, imagine uma pessoa que passou por isso e acaba lendo um mangá com romantização de estupro!? Todas essas pessoas que apoiam o abuso do uke ou seja-lá-de-quem-for estão passando por cima de todo o sofrimento e problemas que as pessoas que passaram por algum tipo de abuso sofreram.

    O problema é que o pessoal confunde "Querer ver pegação" com "Estupro", é como se para ter pegação obrigatoriamente tem que ter abuso!

    E sobre Junjou......Eu tive um puta trauma com aquilo! Diego-kun se estiver lendo isso, ouça a Hari, me ouça e não recomende isso para fujoshis iniciantes! Sério, levei um choque no primeiro episódio, só depois de tempos é que fui ver novamente o anime e acabei me acostumando e até gostando dele. Mas, com o tempo fui percebendo toda a problemática do mesmo e hoje em dia já nem sei mais o que sinto por ele '-'

    E nem me fale sobre Maiden Rose, véi que diabos foi aquilo que eu assisti!? A situação foi tão louca, mas tão louca que a única coisa que eu consegui fazer foi cair na gargalhada tamanho absurdo que eu estava vendo. Ouvi boatos que no mangá após aquele abuso louco a situação melhora, mas o problema é que tem gente que 1) Ficava botando a culpa e descendo a paulada no uke porque ele tava sendo muito "cú doce" e 2) Ficava amenizando a barra para o Klaus dizendo que não foi bem um abuso......... '-' Ou que o "estupro consentido" tinha todo um pano de fundo para poder acontecer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Mutreta" kkkkkkk Melhor termo -q. Na real, eu amo seus termos -qq.
      Eu já vi também posts desse tipo com comentários desse mesmo tipo, dizendo que é mimimi e que é apenas ficção e não há problema romantização de estupro, e digo o mesmo, essas pessoas não sabem o que dizem, que perdoem-os. Tá, é realmente ficção, se a autora quiser colocar um cavalo transando com um mutante, ela coloca, mas é errado um cavalo transar com um mutante e não são todos que enxergam esse lado errado, afinal nós todos sabemos que a grande maioria do pessoal que assiste +18 não possuem mais de dezoito anos e muitas vezes não têm mentalidade o suficiente para entender aquela obra e observar criticamente. -e convenhamos, às vezes os professores lindões são quase da mesma idade que a aluna-.

      Também não acho nada demais fazer uma obra que tenha essas polêmicas, desde que a autora saiba que isso é errado -caso contrário, temos outro problema-, mas a verdadeira pedra no meio do caminho são as pessoas que apoia isso, pelos mesmo motivos que você citou e que eu também levantei no post. O fato de gostar desse tipo de coisa em um anime é surreal para mim, apenas mostra o quanto essa pessoa não é humana! Na minha cabeça, se o anime tiver romantização de estupro, já perde um ponto -e sim, eu acho que Koisuru no Boukun seria perfeito sem isso-. Assim como também não vejo problema em ter muitas obras yaoi nesse estilo, o problema é que atualmente QUASE NENHUM yaoi foge à regra. E os que existem, não são valorizados e são tachados até como "sem graça". Como assim, produção?

      O negócio de "querer ver pegação" já não é muito legal também, tudo bem, de boas, nós duas por exemplo, temos uma vida e amamos pegação hardcore e uns lemons deliciosos, mas pelo menos nós vivemos! Conheço gente que pensa tanto em pegação que esquece de pensar em outras coisas, sabe? Essa mentalidade já é ruim sozinha, aí tacam estupro no meio... Fica pior...

      shuashau o Diego comentou nesse post, vou dizer isso a ele -q. Sei como é, mas lembre-se dos animes que te indiquei, entre eles No.6 e Gravitation, não ouviu a especialista porque não quis, mas nããããããão, foi ver Junjou, tá aí o que deu -sim, sou má-, que bom que você não desistiu do yaoi, assim tenho o que conversar contigo -qq

      E Maiden Rose não é de Deus! Eu já era idosa no universo yaoi quando vi Maiden Rose e foi um tremendo choque, imagino o que deve ter sido pra você, não li o mangá então não posso afirmar direito o que rola, mas os boatos são esses mesmo, que a situação fica melhorzinha quando passa aquele incidente. E na moral... Não tem motivo algum pra esse estupro, não mesmo, o coitado do uke, não só o o de Maiden Rose, mas muito uke por aí é xingado só porque não queria fazer sexo naquele momento e tais pessoas ainda apoiam o seme, comassim? Que cérebro essas pessoas têm?

      Excluir
  6. Acho que o problema nem é tanto o uke ser feminino ou não, mas o momento em que isso acaba virando algum tipo de regra no yaoi! Que uke tem que ser frágil e estuprável! Como se um casal gay na realidade também fosse assim, o uke kawaii-desu e o seme macho alfa, sendo que na real dão duas pessoas normais, vestidas normalmente e agindo normalmente! Okks, pode tacar um pouco de fantasia e purpurinar as coisas na história, até porque se fosse igualzinho a realidade a história, acredito eu, perderia um pouco da graça, mas é que parece que no yaoi não existe um meio termo, é quase tudo extremo! E o pior de tudo que o extremo geralmente vem por parte dos fãs.

    Eu prefiro o Levi como seme mesmo, acho meio zueragem o Eren como seme do Levi, mas também não tenho nada contra eles trocarem de lugar, pelo contrário já vi cada fanart engraçadinha dos dois com essa temática "trocando de lugar" ou então já vi ótimas fanarts explorando o potencial do Levi ser uke e do eren ser seme! Aliás, até o meu shipp do coração de free MakoHaru é meio ambíguo! Até hoje fico me perguntando quem é seme ou uke nesse casal, mas acho que no final das contas depende do momento daqueles dois hsuashuashushau

    Ou então temos também aquela coisa que em yaoi não existem homens héteros e muito menos mulheres, e se tiver mulher são pessoas para serem odiadas, pois estão lá apenas para acabar com a felicidade do casal........'-'


    Acho que no final das contas o único anime yaoi que eu vi e que eu realmente gamei de falar "nossa, isso é a minha cara, amo de paixão, quero trocentas temporadas + filmes dessa budega" foi com as ovas de Hybrid Child! Aquela primeira ova foi para derrubar os meus forninhos! A hora em que o seme fala desesperado "Meu coração, minha alma, meu corpo, tudo já pertence a ele" foi o ápice de tudo! São ovas com uma trilha sonora incrível, com uma melancolia maravilhosa, até mesmo a segunda ova que tinha um shota soube trabalhar de forma mais sensível e doce (e depois aquele shota vira um puta seme sedução), e nem vou falar da terceira e quarta ova com os samurais e todo o tom de drama! Eu não sei como é o mangá, mas as ovas foram bem tranquilas e leves, não precisaram de pegação forte ou de abuso para mostrarem o romance! ~Okks, me empolguei legal aqui~

    Enfim, shaushuashuashu nossa nem eu me lembrava desses meus dois posts e.e''''' (valeu aí a linkagem deles /O). Foi um post maravilhoso e super multi uso! Perfeito para quem está iniciando, para quem não compreende muito bem o tamanho do problema que é romantizar o abuso e para quem curte yaoi e quer comentar/surtar por aqui <3

    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo exagerado é uma droga! Até gosto das fofuras que os ukes passam algumas vezes -lembrar desse "algumas" porque o que ocorre é uma coisa forçada-, mas puta merda, todo santo yaoi tem uma droga de uke tão pequeno e tão feminino que tenho vontade de vomitar! O único casal que conheço que segue o padrão são o Richard e o Lucas, mas o que rola é que o Rih é muito baixo e tem traços delicados, fora isso, são duas pessoas normais e que não seguem esse clichê ambulante dos yaois, tanta prova é que o Rih é um pervertido nato e o Lucas é muito gueizinho e romântico, contrariando as regras de ativo e passivo. Enfim... É o que você falou mesmo, não existe meio termo, é tudo extremo.

      Ah, sério? Eu gosto tanto de Ereri quanto de Rieren, acho o Rivaille um uke preso no armário -q. Não é sempre que curto um Eren de seme, já que na minha cabeça o Rivaille está dentro do armário, nunca que ele ia deixar o Eren revirar os papéis, mas se por algum acaso, o Rivaille exagerar na bebida ou já namorar o Eren há um tempo e já ter aquela confiança nele, acredito que o nosso capitão abre um brecha pra ser uke, e daqueles ukes bem ukes mesmo (aquela carinha que não salvei no Ctrl V). Sim, com exceção de ReiNagi, os shipps de Free são vem versáteis mesmo, depende da ocasião.

      FALOU TUDO! CADÊ OS MACHO HÉTERO NAQUILO? MORRERAM? Eu criei uma teoria pra explicar até, na realidade, os yaois são futuristas, numa sociedade que só existem homossexuais e que a mulher é alguma espécie alienígena que quer transformar os gays em héteros! Mistério resolvido -q

      Das OVAs de Hybrid Child só vi o primeiro episódio, o início do segundo e estou rondando o mangá há séculos, concordo que é um ótimo anime, sem dúvidas! Qualquer dia eu confirmo suas palavras descobrindo o quão bom é esse anime.

      Excluir
  7. Yo, Hari!

    Antes de iniciar o comentário, queria dizer uma coisinha: queria te convidar para para participar do Emotion Contest (o selo dele tá lá no blog), se se interessar, vai lá e se inscreve <3 (Sei que você não é muito chegada a rosa, mas pensa no caso, please!)

    Cara, é difícil achar uma pessoa que saiba distinguir bem Shounen-ai de Lemon- digo isso porque já li muitas fics com o gênero "Shounen-ai" sendo que rolava altos Dramaticals Murders, por assim dizer (Sim, fucei no google imagens pra ver as coisas que esse jogo apresentava...)

    Bom, eu não entendo POUHA NENHUMA de Yaoi-ou seja, minha opinião sobre essas coisas, são praticamente nulas, mas sempre notei essa questão de feminilidade do uke; Peguemos um exemplo de Hana-Kimi (Primeiro e quase único, e ainda por cima pseudo Shounen-ai da minha vida) Temos Umeda, um médico seduçã1 que é gay, e tá nem aí se aluno notar que ele tá se pegando com alguém no consultório; E ele não fica COM UM UKE SÓ que ele conhece no mangá (sim, foram vários Ukes), porém, todos esses Ukes tem cara de mulher (Podia jurar como ele tava "fazendo exames" com mulheres mesmo), e não sei porque esse tipo de coisa. Não veria problema se tanto o seme quanto o uke tivessem cara de macho mesmo (Sem serem afeminados, sabe?), mas fazer o quê.

    Como eu disse, só por não manjar nem um pouco de Yaoi que eu fico meio sem ter o que comentar, né; Ah, não sei porque me lembrei disso agora, mas a tag do DiaLovers já tá lá no blog, viu?

    Dama de Ferro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoraria participar do Emoticon Contest, mas nesse momento eu não estou com muito tempo ou disposição pra me dedicar a essas coisas, e além do mais, demorei muito para ver o link que você mencionou nesse comentário e as vagas estão encerradas, talvez uma outra hora! Mas vou lembrar desse convite, ok?

      Sim, é difícil mesmo, mas no geral, nas fanfics colocam shounen-ai no lemon pra dar mais visualização, muito ali sabem a diferença. Se ampliar os gêneros das fanfics, o público-alvo também amplia. E MEL DELZ DROCELL! Por que você tirou sua pureza pesquisando sobre Dramatical Murder? Mal conheço Hana-Kimi, vejo muitos falarem, rondei o mangá uma vez, mas foi um capítulo aleatório que postaram em uma página do feici pra fazer referência. É uma das coisas que é muito tosco no yaoi.

      Já fiz a sua tag aqui no blog, foi ótimo fazê-la.

      Excluir
  8. Yoo Hari :)
    Eu tava doente essa ultima semana, ruim mesmo sabe. Mas agora já estou melhor e voltei a visitar a blogosfera X3

    Nossa, faz tanto tempo desde que eu descobri e comecei a assistir e ler Yaoi/Lemom/Bara >///< Foram duas amigas minhas no colégio onde eu trabalhava que me apresentaram o Yaoi, elas eram fujoshis seriamente purpurinadas com esse negócio de Yaoi na época (agora eu não sei, porque faz três anos que eu não as vejo).

    Depois que eu comecei não parei mais, li todos os mangás da antiga YaoiHome, todos da Sukinime e estou terminando as traduções da Yaoi toshokan :)
    E hoje eu sou um Fudanshi.

    Esse negocio de estupro (Sexo sem consentimento) é bem tenso mesmo, e realmente tentam colocar outra palavra para tentar amenizar. Mas no fim esses ukes gostam mesmo, pronto XD

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DIEGO! VOCÊ EXISTE RAPAZ!
      Que bom que essas meninas te apresentaram, hein? Mas garanto que elas não foram as que te levaram a conhecer de yaoi, há três anos você já conhecia a Nyu e já me conhecia também, você só não seguiu nossos conselhos sobre yaoi de besta -q
      Sukimine salva a minha vida, o YaoiHome também, já o Yaoi Toshokan faz tempo que não o visito, bom saber que você traduz por lá -ou entendi errado?-
      Sexo sem consentimento é uma bosta, e o pior é que segue o que você disse, os ukes gostam disso, as autoras fazem eles gostarem, se fosse uma pessoa normal isso nunca aconteceria, cadê a verossimilhança?

      P.S.: DIEGO, NÃO INDIQUE MAIS JUNJOU PARA FUJOSHIS INICIANTES, É SÉRIO ISSO, JAMAIS, NUNCA! EM HIPÓTESE ALGUMA!

      Excluir
  9. Olá! ~

    Oba, um post sobre yaoi, vou ler, amar e comentar sim ou com certeza? -q

    Ah, realmente, essa coisa do nome do casal ter o seme na frente e o uke atrás tá meio ultrapassada, eu mesma nem ligo, escrevo do jeito que achar melhor. Aliás, eu achava que pessoas "normais" (no caso, lê-se: povo que não gosta de animes/mangás/cultura oriental) nem faziam ideia do que era yaoi, mas uns anos atrás quando eu estava num curso totalmente random uns caras viraram pra mim e falaram ~do nada~ "você curte yaoi né?" e eu fiquei tipo: "O_O vocês sabem o que é isso?" e eles "Sim" e aí eu não sei se perdi a fé na humanidade ou a restaurei naquele dia, fica aí o mistério.

    Enfim, o post foi possivelmente bem esclarecedor pra quem não estava muito familiarizado com os termos! É tipo uma enciclopédia dos termos gays, parabains! \o/

    Ai no Kusabi... O próprio nome já diz ( ͡° ͜ʖ ͡°) /parei

    Sobre a ~polêmica~ dos estupros, infelizmente é algo bem comum nos yaois e me incomoda bastante (apesar de eu amar Junjou). Eu imagino que talvez os autores criem isto como uma forma de "apimentar" a história, se é que me entende, tipo 50 tons de cinza (odeio esse filme, na moral, mas segue mais ou menos a mesma lógica). Enfim, sei lá, é muito melhor quando as histórias são mais realistas, mas ta aí algo raro de achar.

    Essa questão do uke ser feminilizado também me irrita! Tipo, não é porque você quer deixar claro que seus personagens tem as ~posições~ bem definidas que você precisa fazer o uke ser uma mulher com pinto e o seme ser um cavalo. É só assistir Sense8 e observar o casal Lito&Hernando, eles são super mais realistas nesse aspecto! Ambos são homens maravilhosos, e mesmo o Lito sendo mais musculoso e grandão, não dá pra saber quem é o seme e o uke! Aliás, eles são flex mesmo, e é isso aí!

    Aliás, acho mó besteira esses fandoms que ficam brigando tipo "Rivaille é seme com certeza e ninguém fala o contrário mimimimi", mano, se tem uma coisa certa é: cada um shippa o que quiser da forma que quiser! Não gosta, não leia a fic/doujinshi ou fique quieto! Agora, ficar reclamando, pra mim é puro recalque /prontofalay

    E taí uma coisa que eu não sabia! Tem um dia do yaoi! Uhul, bora comemorar em agosto <3

    E também adorei os links pra esses posts diferentões, aliás alguns com ideias super boas!

    E sobre a lista, to ruim de yaoi heim, acho que assisti/li menos da metade. Mas tudo bem, um dia a gente chega lá (e sinceramente tem uns que eu nem tenho vontade).

    Kissus! o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza o/

      Eu ainda ligo para o nome dos ships, mas é só por convenção mesmo, pra diferenciar como eu gosto de shippar, tipo... Shippar Ereri não é a mesma coisa que shippar Rieren, se alguém falar que shippa Ereri, os nego já taca o pau, já eu gosto dos dois <3. Porém quanto o casal é flex ou quando não me importo sobre a posição deles, digo como eu acho que a sonoridade fica melhor. Mas nããããão, aí que você se engana, toda a gente está sabendo o que é yaoi de tão popular que ele está, até mesmo os mais desentendidos da cultura oriental estão por dentro do assunto, por isso que fiquei surpresa ao ver alguém que não sabia.

      Obrigada, a intenção foi essa mesmo, fazer uma espécie de enciclopédia. MDS! ESSE TROCADILHO COM AI NO KUSABI ~morta

      Depende, se for realista demais perde a graça, tipo... Imagina um filme ou anime sobre a sua vida? Ou a minha vida? Eu não assistiria, que troço sem graça... Mas essa forma de apimentar a relação é muito sei lá... É muito mais fácil eles apimentarem a relação do jeito que os casais normais fazem, como por exemplo fazer sexo em outro lugar que não seja o quarto ou quem sabe criando mais intimidade entre os dois personagens.

      Um caso de obra que os protagonistas possuem as posições bem definidas sem esse tipo de clichê é a comic A Matter of Life and Death da autora Snipster, é uma webcomic que indico muito. Enfim... Acho que não é preciso isso, basta explorar a personalidade dos personagens que já dá pra sacar quem vai ser uke ou seme ali, ou melhor, nem indica posições, deixa rolar, é melhor assim. Sense8 também é um ótimo exemplo de casal flex que me agrada.

      Na verdade não gosto de quem xinga o shipp do outro, não só se tratando do Rivaille, uma briguinha saudável e de brincadeira é sempre bem engraçado quando se está numa roda de amigos, mas chegar dizendo que seu shipp é absoluto é muita falta do que fazer. Sim, tem um dia só pras gueizagens, vamo comemorar <3 Esses links são perfos <3 Ah claro, nem veja todos, tem uns na lista que coloquei pelo simples fato de não ficar tão incompleto, não medi qualidade, tem uns que não valem a pena.

      Excluir
  10. EU vi o boku no piko quando tinha 8 anos e n fiquei traumatizada. Na verdade quando decidi ver a serie pensei que era shoujo (o piko parece uma rapariga 👧. Mas apartir dai comecei a adorar yaoi. Ja agora tenho 12 anos e acho que n sou uma criança problematica ja que nos testes tiro 80 para cima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boku no Pico é um anime que traumatiza muita gente e sempre é problematizado por isso -q
      Mas é quase um milagre que não seja o seu caso e que ainda pôde entrar nesse nundo diwo que é o universo yaoi

      Excluir

Vai comentar? Leia as regrinhas:

~ Pode abusar dos palavrões o quanto quiserem, mas ofensas serão excluídas. Caso queiram criticar, críticas construtivas por favor;
~ "Seguindo, segue de volta?" Sim, mas fale um pouco do post também;
~ Pedidos? Fiquem a vontade;
~ Lemos a todos os comentários e sempre os respondemos;
~ No fim do comentário deixe o link de seu blog, se gostarmos, seguimos com prazer .

Pode comentar agora!