20/05/2018

Resenha: One Punch Man, comédia idiota com inteligência

Hari: Oi lá pessoinhas dessa blogosfera! Fazia tempo que o Rih não postava, então decidi fazer um post em conjunto com ele porque ele finalmente assistiu One Punch Man. Nada como se atrasar pras coisas, não? Aproveitando a onde de animes que eu tenho pra re-assistir, adicionei One Punch nessa lista e cá estou eu! -na época que vi, fiz tipo um "primeiras impressões" aqui no blog, então pra quem quiser ler, tá aqui-. Diferente dos outros posts em conjunto que fizemos, não vamos colocar indicações de falas de cada um porque a nossa opinião do anime é parecida, então decidimos diferenciar só quando a nossa opinião diverge. Boa leitura!

Sinopse
Saitama é um morador da cidade Z -bem louca, por sinal, atacada por monstros e tudo- e depois de três anos de treino pesado ele se torna um herói forte pra porra que derrota todos os monstros e vilões com apenas um soco. Mas com essa força veio também o tédio, não há nada que o Saitama não possa derrotar, então ele se entendia facilmente com o quão fácil é vencer todos e isso causa uma comédia bem original no anime.

Nesse tempo, ele conhece um ciborgue chamado Genos, que se encanta com sua força e insiste pra ser seu discípulo. Depois, os dois -a pedido de Genos- entram na Associação dos Heróis, a fim de se tornarem heróis oficiais e ganharem reconhecimento e respeito por todos os seus esforços para manter as cidades a salvo.

Personagens
O Saitama, como foi dito, é bem entediado com tudo e isso é bem engraçado, as caras dele são sempre as melhores. Além disso, ele é o tipo de pessoa que interromperia ou aceleraria uma luta porque começou a chover e ele deixou as roupas no varal. É disso que estamos falando, o Saitama é gente como a gente, é daí que vem tanto carisma, mesmo ele sendo uma pessoa entediada. É difícil levar o Saitama a sério e toda a história do anime se desenvolve de um jeito leve justamente porque o Saitama está lá. O personagem é uma sátira a todos os heróis fodas de quadrinhos, como Superman ou até mesmo Goku e faz com que a força dele não seja bem uma qualidade. É uma outra visão de força.

Já o Genos é aquele personagem típico personagem "sério" que todo shounen precisa ter, mas diferente de outros shounens, não é como se o Genos passasse uma aura foda só por ser mais racional e técnico -na verdade até passa, mas só porque ele é bem estiloso como herói, mesmo inexperiente-. O Genos, de fato, é um aluno de Saitama, o que é bem cômico também porque é comum ver o "técnico e polido" treinando o "cabeça oca", mas aqui temos o contrário, o que prova o quando One Punch brinca com os clichês.

Parte técnica
A arte do anime é sensacional, nem tem o que dizer né? O trabalho da MadHouse é sempre divino, com um bom uso da sombra e da luz, às vezes pendendo pra um lado mais cartunesco, visto que o anime é uma sátira bem clara aos heróis ocidentais, com capa e tals. As sombras também ajudam a dar um ar mais estiloso, eu particularmente -Hari falando- acho sensacional quando o anime sabe usar sombra, estamos acostumados com animes brilhantes demais e as produções atuais estão deixando mais as sombras de lado e está ficando muito estranho o quando estão dando uma suavizada nas luzes, no caso de One Punch -e em quase todas as obras que a Madhouse adapta- o brilho natural da atualidade não tira o direito da sombra de estar ali também.

Já a trilha sonora não é fucking marcante, mas é igualmente boa. Aquela abertura, caralho... Não tem como não se lembrar dela quando se fala de One Punch Man, a abertura é sensacional -tanto a música quanto a parte visual-, a soundtrack é bem encaixada e até mesmo ela ou a falta dela é um elemento pra comédia. Gente... Essa obra usa tudo o que tem de direito pra fazer você rir. E consegue, é incrível.

Nossa opinião geral
O enredo tem uma boa continuidade e, mesmo que muito simples, não se torna repetitivo porque OPM usa bem os elementos que ele já tem, até mesmo um personagem que você acha que é só um figurante de episódio único, ele aparece mais vezes e até faz coisas importantes dentro do universo que está inserido. Como dissemos, é muito engraçado, mas não é como se fosse comédia durante 100% do anime, a comédia é posta em lugares estratégicos, bem colocada pra não cansar o expectador, pra gente não pensar que tá vendo stand up.

Hari: Quando foi dito que "One Punch brinca com os clichês", não quero dizer que One Punch não é clichê, quero dizer que a obra usa o clichê como ferramenta no desenvolvimento do anime, brincando com ele e invertendo os efeitos que eles normalmente causam, essa quebra de expectativa é o que causa humor. A ambientação que One Punch dá é conhecida da gente e o telespectador já espera que tal coisa séria vai acontecer justamente porque é um clichê, mas o que acontece é uma tirada engraçada que quebra o clima sério que a gente espera.

Rih: O que a Hari quer dizer é basicamente o que nós, atores, fazemos no teatro. A chave principal do enredo como um todo -do humor também- é surpreender o telespectador, basicamente fazem isso fugindo dos clichês, mas One Punch não. OPM abraça o clichê como parte do universo do anime, mas ele não se esquece que é a surpresa que fazem as coisas ficarem engraçadas, a aleatoriedade é a arma secreta do humor. Se repararem, as coisas que você mais acha engraçadas são aquelas que fazem você pensar "mas que porra foi essa?", porque é aleatório, é dinâmico. OPM faz isso, te surpreende, mas não por fugir do clichê e sim por criar uma situação clichê que você imagina que vai acontecer dessa forma, mas no meio acontece algo que não estava previsto.

Por exemplo, tem uma cena que mostra um Saitama bem puto no meio de uma luta, você está esperando que ele dê um socão no monstro e acabe logo com isso porque isso é o clichê, mas aí ele solta que está puto porque perdeu a promoção de sábado do mercadinho do bairro. É uma quebra de expectativa e você ri, mas isso não impede o Saitama de dar um socão e acabar logo com isso, sacou? One Punch brinca com os clichês dessa forma.

Além do humor, tem cenas de ação incríveis, só porque o personagem derrota todos com um soco não quer dizer que as lutas são chatas, a ação é bem executada e no fim toma proporções imensas, level Dragon Ball, sabe? E não é forçado, tudo é plausível dentro do universo que o autor criou. Falando em Dragon Ball, tem partes que lembra um pouco por causa dos músculos, personagens e pelos alienígenas. A proporção de poder é bem absurda e isso dá um quebra-quebra típico de DB. Mas sem aquela gritaria, me poupe disso.

É extremamente satisfatório ver os efeitos visuais e as lutas, que além de serem bem exageradas -propositalmente-, exploram o melhor em cada estilo de luta de cada personagem. Ah sim, os personagens possuem uma personalidade fixa e é muito legal o quanto eles são uniformes com isso. É possível ver nitidamente o quanto são diferentes. Se o Saitama é entediado, o Genos é técnico, a Tornado é irritadiça, o Sonic é persistente e meio infantil... Enfim, além disso, eles possuem estilos de luta diferentes, tal pessoa é desleixada, tal pessoa é rápida, outra pessoa usa fogo, já aquela outra usa ar... E isso dá uma dinâmica em batalha e uma individualidade necessária pra uma boa obra.

Rih: OPM passa a impressão de ser episódico, mesmo tendo certa sequência nos fatos, isso incomoda um pouco a Hari, mas se mesmo ela achou interessante assim, quem sou eu? Também não é como se ficasse monótono por isso, pra mim OPM funciona assim, sabe? Por ser um anime dinâmico, seria até chato. Além disso, você consegue achar chato algo que aparece o Chapolin Colorado? Eu não consigo. E sim, tem referência nesse nível, tem referência desde Sailor Moon até Hunter x Hunter.

E falando em referência, minha gente... É muita referência pra pouco capitão, até de Evangelion eu vi referência, de Gintama, de Dragon Ball então... Vale reassistir o anime só pra pegar as referências a Dragon Ball porque são muitas. Juro ter visto até coisa de Boku no Hero -mas não sei quem veio antes, então não sei quem referenciou quem-. Se você for alguém que manja minimamente de jogos e sabe dos animes mais "clássicos", você vai aproveitar bem a obra.

Finalizando essa delícia, tem uma ótima dublagem, cheia de gírias e piadas à lá Yu Yu Hakusho, sabe? O Saitama é um personagem perfeito pra fazer esse tipo de brincadeira, não tenham medo de ver a versão dublada que tem na Netflix, as piadas conseguem ser ainda melhores na adaptação porque bem... Vocês sabem, br é the zuêra never ends, quem melhor pra dublar essa obra de arte da comédia japa?

2 comentários:

  1. Anônimo5/21/2018

    Inteligencia?...Ok...One Punch Man é um otimo anime!( nunca cliquei tao rapido em uma notificaçao...)Ah,aquela comedia desprevinida,voce querendo ser ou se comparando a Saitama(aquela preguiça e atençao nos detalhes errados sao inquestionaveis)aquela abertura...One Punch Man realmente é um otimo e belo anime!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, inteligência, pois a comédia de One Punch é planejada, não é de qualquer jeito como outras obras de comédia -não só anime-. É comum vermos comédias retardadas que muitas vezes não tem graça, mas One Punch Man conta com quebra de expectativas pra fazer comédia, é uma comédia pensada, por isso funciona! E claro, a abertura de One Punch é incomparável! Incrível, apenas

      Excluir

Vai comentar? Leia as regrinhas:

~ Pode abusar dos palavrões o quanto quiserem, mas ofensas serão excluídas. Caso queiram criticar, críticas construtivas por favor;
~ "Seguindo, segue de volta?" Sim, mas fale um pouco do post também;
~ Pedidos? Fiquem a vontade;
~ Lemos a todos os comentários e sempre os respondemos;
~ No fim do comentário deixe o link de seu blog, se gostarmos, seguimos com prazer .

Pode comentar agora!

Layout feito por GNMH, editado por Hari M.